You are here
Coisas do mundo Colunas Música 

Em terra de “Baile de Favela”, quem escuta David Bowie é Rei | Neurônio Nerd

Foi com pesar que o mundo recebeu no dia 11 de janeiro de 2016 a notícia da morte do músico e ator David Bowie.

Ele era icônico. Mesmo quem nunca ouviu uma música do Bowie ou nem sabia quem o cara era, ao menos já havia se deparado com a figura clássica daquele homem esguio com um raio pintado na cara. Bowie não só era, como ainda é um ícone pop que será lembrado por muito tempo.

Para as gerações mais recentes, Bowie foi apresentado no (excelente) filme AS VANTAGENS DE SER INVISIVEL, adaptação do livro homônimo estrelada por Emma Watson, Logan Lerman e Ezra Miller. A música é uma espécie de hino no filme, que se passa no início dos anos 90,  e toca em dois momentos muito importantes da trama. Em um deles os personagens estão escutando a música enquanto toca na rádio, e ficam se questionando qual seria a música e o cantor. Em um tempos onde não havia internet ou apps para smartphones, reconhecer aquela música que você ouve por acidente e curte não era tarefa fácil. Escuta aí meu querido Padawan:

Atualmente escutar David Bowie numa rádio, é praticamente impossível. Coisa rara! O conteúdo [?]  agora é outro, em todas as mídias, seja nas rádios, programas de TV ou mesmo na internet. Esses dias me deparei com um vídeo no Youtube da música “Baile de Favela”. Já tinha ouvido falar, mas nunca liguei e nem procurei ouvir. Mas quando cruzou por mim aquele vídeo, decidi clicar e escutar; a final, de forma direta ou indireta ouço muito comentarem sobre a música, eu gosto de ver e ouvir antes de criticar, e também não se pode ignorar que o videoclipe no Youtube já supera 45 MILHÕES DE VIEWS! Prefiro não comentar muito sobre o que achei. Mas foi simplesmente… Uma merda.

Mas agora não falando do Baile de Favela, mas num geral, muitas vezes somos obrigados a tratar determinados “gêneros musicais” como exemplares dignos de uma nobre cultura. Uma espécie de politicamente correto em relação à cultura e ao mundo das artes, que tem criado uma geração de completos idiotas. “Ah, mas cultura não é só o que você gosta!”. Realmente, mas não se pode atribuir qualidades a alguma coisa, se essa coisa simplesmente não as têm. Lixo é lixo. E as pessoas gostando ou desgostando, vai continuar sendo lixo.

musica-1.jpg

Antes onde tinha um Racionais (que é excelente!), hoje tem Baile de Favela. A gente era feliz e não sabia.

De qualquer forma, o lado bom de toda essa história, é que existe uma espécie de “seleção natural” do mundo das artes e da cultura, onde aquilo que é ruim simplesmente desaparece com o tempo, enquanto o que é bom permanece, e caso seja bom realmente se imortaliza no tempo. David Bowie é um desses exemplos, cujo talento e tudo aquilo que trouxa para o universo das artes será ecoado pela eternidade.

 

 

Related posts

Leave a Comment